Quais as peculiaridades de um paciente hospitalizado idoso?

No âmbito hospitalar, a UTI é vista como um dos locais mais tensos e traumatizantes, concentrando pacientes em estado crítico, com necessidade de observação constante e cuidados especiais. Embora possua mecanismos tecnológicosutilizados cada vez mais avançados, somente este aparato não contribui para melhoreficácia do tratamento e uma assistência de qualidade e humanizada.

Na UTI, o profissional de saúde lida com situações estressantes e de tensão, tais

como: a escassez de leitos e de recursos humanos, e também, a dificuldade de aceitação

da morte, podendo afetar a sua atuação e contribuindo para uma assistência mecanicista,

descaracterizando o cuidado

Durante o período de hospitalização, os profissionais de saúde devem se preocupar

com o processo de recuperação do paciente, contribuindo para a criação de um ambiente

adequado e proporcionando a sensação de relacionamento com esse mundo e não de

isolamento. O paciente idoso requer uma atenção especial, exige um cuidado

diferenciado com maior sensibilidade, considerando suas peculiaridades, suas alterações

orgânicas normais, psicológicas e sociais. Deve-se considerar que cada idoso percebe a

sua condição de maneira diferente, pois alguns reagem individualmente ao sofrimento,

exigindo do profissional a capacidade para intervir em momentos de crises.

Por lidar constantemente com as perdas alheias, é necessário que a equipe aprenda

a superá-las ou desenvolva mecanismos de adaptação, fortalecendo-se como pessoa para,

dessa maneira, apoiar os pacientes e familiares nos momentos difíceis.

O papel do profissional de saúde não é só cuidar dos problemas fisiopatológicos, é

também, compreender e assistir o idoso em sua totalidade, às questões psicossociais,

ambientais e familiares, suprindo suas necessidades, garantindo a eficácia de sua

recuperação. O atendimento a esses idosos requer conhecimentos específicos da área,

devendo saber agir diante das situações diferentes e inesperadas.

Falar em humanização pressupõe que, além de um atendimento digno, acolhedor e

solidário pela equipe multidisciplinar para com o paciente, deve-se adotar uma postura

ética que permeie todas as atividades profissionais. Dor e sofrimento precisam ser reconhecidos e compreendidos de maneira humanizada para que o idoso perceba que todos têm um objetivo comum: atendê-lo e satisfazê-lo.

A humanização no atendimento exige dos profissionais de saúde, essencialmente,

compartilhar com o seu paciente experiências e vivências que resultem na ampliação do

foco de suas ações, via de regra restritas ao cuidar como sinônimo de ajuda às

possibilidades da sobrevivência. Dessa forma, cada encontro entre o profissional e o

paciente reveste-se de uma tomada de consciência quanto aos valores e princípios

norteadores de suas ações, num contexto relacional. A capacidade e o interesse na comunicação entre equipe e família são considerados essenciais no cuidado humanizado. É através da comunicação que somos capazes de nos relacionarmos e construirmos uma condição de atendimento e interação com o outro,seja ele idoso ou colega de trabalho.

Acolhendo o paciente idoso de maneira agradável, transmitindo sensação de segurança e a percepção de que ele é bem vindo, desta forma, os profissionais do hospital contribuem para a sua recuperação.

A construção de uma assistência humanizada na UTI torna-se uma tarefa difícil, pois

requer atitudes às vezes individuais contra todo um sistema tecnológico dominante. É

importante lembrar que é um processo com metas a curto/médio/longo prazo,

impulsionada por medidas de avaliação e da capacidade de aprender com a própria

experiência e a dos outros. Humanizar a relação com o paciente realmente exige que o

profissional valorize a afetividade e a sensibilidade como elementos necessários ao cuidar.

O profissional de saúde deve ter em mente que quando se trabalha em uma UTI,

depara-se com um ambiente de ansiedade. Procurar humanizá-la é tarefa diária, assim

como reconhecer que sua presença se torna tão importante quanto os procedimentos

realizados.

Um exemplo simples do processo de humanização, é promover a autonomia dos

pacientes fazendo com que eles aos poucos reconquistem sua capacidade de resolução

independente. Assim, o paciente passa a ser tratado como pessoa que é, com todos os

tipos de sentimento que a interação pode suscitar, e não apenas como um doente.



#DrMedbook #saudeeconhecimento #idosos #geriatria

2 visualizações

Medbook Editora

Avenida 13 de Maio, 41

Salas 803 e 804
Centro - Rio de Janeiro - RJ
20031-007

  • Branca Ícone Instagram

Seja o primeiro a saber

Inscreva-se na Newsletter

© 2020 Medbook Editora - CNPJ: 07.914.327/0001-18